Rede Lucy ganha robótica e ampliação no Centro Umarizal


A unidade do Jardim Umarizal, em São Paulo, do Centro de Reabilitação Lucy Montoro ampliará sua capacidade de atendimento em 50% com as novas instalações inauguradas nesta quarta-feira, 4/09.

A unidade da Zona Sul da capital paulista foi criada pelo governo do Estado de São Paulo, em 2001. A Rede Lucy conta, hoje, com 14 unidades em funcionamento, sendo cinco na capital. Em breve, serão inauguradas mais cinco unidades, entre as quais nos municípios de Marília e Santos.

Com a ampliação do Centro Umarizal, passarão de 60 mil para 90 mil por ano os atendimentos de reabilitação a pessoas com deficiência física, como pacientes com sequela de acidente vascular encefálico, trauma cranioencefálico, doenças neurodegerenativas ou reumatológicas, lesões ortopédicas e crianças com atraso no desenvolvimento neuromotor, além de atendimentos a pessoas que sofreram amputações e lesões medulares.

A Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Dra. Linamara Rizzo Battistella, destacou a importância da ampliação da unidade. Nós aprendemos muito com esta unidade do Jardim Umarizal, pois foi a nossa primeira. Aprendemos que tínhamos de sair de dentro das quatro paredes e ir ao encontro dos pacientes. Desde 2000, o governo vem fazendo esse esforço de tratar essas pessoas de um modo especial. Esse esforço é permanente”, afirmou.

Segundo a Secretária, o Centro de reabilitação Umarizal foi totalmente reformulado e modernizado e está 100% acessível”, o que significa que atende à  Lei da Acessibilidade (Leis 10.048 e 10.098, regulamentadas pelo Decreto 5296/04), que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, mediante a supressão de barreiras e de obstáculos nas vias e espaços públicos, no mobiliário urbano, na construção e reforma de edifícios e nos meios de transporte e de comunicação.

Colocamos como 100% acessível para chamar a atenção mesmo, para despertar essa curiosidade. Tem a lei, mas não tem aplicação. E a questão da acessibilidade é não ter qualquer barreira arquitetônica ou ambiental. à‰ uma lógica hoje. Em um centro de reabilitação, isso é imprescindível”, destacou a Secretária.

Com investimento de cerca de R$ 3,4 milhões, a unidade passará a contar também com um laboratório de robótica, no qual estarão disponíveis equipamentos de alta tecnologia, como dois InMotion, que estimulam a movimentação dos membros superiores, e a Ergys, uma bicicleta ergométrica associada a um estímulo elétrico funcional que auxilia o paciente com lesão medular a realizar exercícios ativos com a musculatura dos membros inferiores, contribuindo para maior qualidade nas funções orgânicas.

Nenhuma clínica particular de reabilitação dispõe desses equipamentos, pois são muito caros. A robótica traz uma oportunidade, pois integra valor à  reabilitação de forma integrada, com exercícios, o trabalho motor e o estímulo cognitivo. O desafio proposto pela máquina estimula o paciente e os resultados aparecem mais rapidamente. A tecnologia veio agregar qualidade ao tratamento da reabilitação”, ressaltou a Dra. Linamara.

De acordo com a Secretária, o centro de reabilitação do Jardim Umarizal é referência em reabilitação para a Zona Sul da capital, com condições de atender 100% da demanda da região, recebendo também pacientes de municípios próximos, como Taboão da Serra e Embu das Artes, na Grande São Paulo. No centro, os pacientes são atendidos por uma equipe multidisciplinar, composta por médicos fisiatras, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, assistentes sociais e outros profissionais especializados. Os pacientes ganham órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção.

à‰ tudo customizado. São tiradas todas as medidas para a confecção das próteses, treinamento adequado para a utilização destas para que não sofram outras lesões, recebem os medicamentos que serão aplicados no tratamento. O objetivo é fazer com que a pessoa atendida volte à  sociedade reabilitado”, finalizou a Dra. Linamara.

Também participaram da cerimônia de inauguração o Secretário estadual da Saúde, Giovanni Guido Cerri, em seu último dia de gestão como secretário de Saúde, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin, o Secretário Adjunto da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Marco Pellegrini, além do ex-Secretário de Saúde José Guedes.

""O prédio foi bem ampliado, modernizado e reformado. Ganhou novos equipamentos, inclusive de robótica, que são projetados pelo MIT [Massachusetts Institute of Technology], nos Estados Unidos. São os mais modernos aparelhos para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida neste trabalho de reabilitação"", ressaltou o governador Alckmin.

O investimento na ampliação das instalações fez Marco Pellegrini destacar que o segmento das pessoas com deficiência deixaram de ser""minoria"" para ser tratado de forma igualitária, com respeito e consideração. Para destacar esse aspecto ele fez questão de tirar a gravata, com auxílio de seu assessor, já que ele é tetraplégico, para enfatizar que sua consideração de que não era mais minoria se dava como cidadão comum, usuário do serviço, e não como Secretário Adjunto.

Além da ampliação das salas de atendimento e da área administrativa, foram criados 10 novos espaços: dois consultórios para terapia individual, salas de atendimento em grupo, um ginásio terapêutico, posto de enfermagem, sala para avaliação isocinética, sala para atendimento exclusivo da Ouvidoria e mais salas para oficinas terapêuticas.

Rede Lucy Montoro
A Rede de Reabilitação Lucy Montoro foi criada pelo Decreto 52973/08, regulamentada pelo Decreto 33739/10 e alterada pelo Decreto 58050/12, pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio das Secretarias de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e da Saúde, em parceria com renomadas instituições de assistência, ensino e pesquisa.
O objetivo principal é propiciar melhoria na qualidade de vida, participação na sociedade e capacitar plenamente a pessoa com deficiência para o exercício de seus direitos.
Em uma primeira fase, a Rede de Reabilitação Lucy Montoro é composta por 18 unidades fixas e uma Unidade Móvel, construídas em regiões estratégicas do Estado de São Paulo. Essas unidades, quando totalmente implantadas, terão capacidade de aproximadamente 300 mil atendimentos por mês.

Para conhecer um pouco da Rede de Reabilitação Lucy Montoro acesse: http://redelucymontoro.org.br/


Data de Publicação: 05/09/2013

Fonte: Secretaria Estadual da Pessoa com Deficiência