Usuários de transporte especial para deficientes físicos reclamam do atraso


Usuários do Transporte Porta a Porta, oferecido pela Prefeitura de Vitória, para levar deficientes físicos a consultas médicas, reclamam do atraso das vans e Ônibus do serviço. Alguns contaram que chegaram a cancelar tratamentos, por causa de problemas relacionados ao transporte.


A Secretaria de Transporte, Trânsito e Infraestrutura Urbana de Vitória explicou que o serviço Porta a Porta atende a 97% das viagens. Destacou que muitas pessoas desistem da viagem e não avisam, o que prejudica o serviço.


Segundo a mãe de Rafael, usuário do programa, os problemas de atraso são recorrentes. (Eu cancelei o tratamento do meu filho, de acupuntura, porque ele ia uma semana, faltava duas, três. Então, se não tem continuidade no tratamento, não adianta fazer), disse a decoradora Tereza Cristina Machado.


A cuidadora que acompanha Rafael, Joyce Ribeiro, confirmou o problema. (Í€s vezes, demora a chegar. A gente desce 10h30 e eles vêm nos buscar 10h45. Já vieram buscar a gente às 11h. Já perdemos compromisso por causa disso), destacou.


Tereza Cristina contou que, apesar dos problemas motores, foi o próprio Rafael quem baixou o aplicativo da TV Gazeta, para fazer a reclamação. (Pediu para que a gente redigisse um texto para mandar para a TV Gazeta), disse ela.


José Amaro é quem, há quatro meses, dirige um dos veículos do serviço. Além de conduzir, ele ainda ajuda os passageiros a subir e descer da van. (Tem que ter mais cuidado do que o motorista de Ônibus normal. Isso aqui exige mais atenção), falou.


Em relação aos atrasos, o motorista explicou que, às vezes, eles acontecem por conta do trânsito. (Í€s vezes, é quando tem o problema de trânsito, aí acaba atrasando. Ou a gente não consegue chegar no endereço a tempo, mas a gente sempre vai, sempre cumpre a programação)


A Prefeitura de Vitória destacou que, em 2016, o serviço realizou 17 mil viagens agendadas. Neste ano, de janeiro a maio, o serviço já fez 5.442 atendimentos. Disse ainda que possui 98% de toda a frota adaptada para cadeirantes, com elevador, espaço para cadeira de rodas e cinto de segurança.


(É um serviço maravilhoso, que muitas cidades grandes não têm e a gente tem que apelar para táxi especial, essas coisas, o que fica muito caro. Mas aqui tem e eu acho que tinha que dar um pouquinho mais de atenção a esse serviço, porque tem muita gente precisando), declarou Tereza Cristina.


Cadastro


Para utilizar o serviço, o usuário deve ser cadastrado pela Setran, que emite uma credencial, com a qual é feito o agendamendo das viagens por meio do Fala Vitória 156. As solicitações de transporte devem ser feitas com antecedência mínima de três dias para que os roteiros possam ser previamente programados.


Data de Publicação: 13/07/2017

Fonte: g1