Igualdade no trabalho é prioridade


Pesquisa da i.Social comprova qualificação das pessoas com deficiência, ratifica o papel fundamental da lei de cotas e destaca a busca por salários compatíveis, bons planos de carreira e pacotes atrativos de benefícios. Estudo mostra que altas lideranças de empresas e profissionais de RH priorizam apenas acessibilidade e projeto de inclusão, itens que são obrigatórios no mundo corporativo atual. Cenário divergente reduz a qualidade das vagas oferecidas aos profissionais com deficiência e gera perda constante de dinheiro.



Qualidade das oportunidades oferecidas é a principal reclamação das pessoas com deficiência que buscam emprego. Imagem: i.Social



Acessibilidade, ambiente de trabalho sensibilizado e um projeto de inclusão muito bem estruturado são fundamentais para qualquer empresa. No atual cenário corporativo, oferecer recursos acessíveis, combater todos os tipos de preconceito, compreender a importância da diversidade e dialogar com os colaboradores têm influência direta no desempenho da companhia.



No que diz respeito à contratação de pessoas com deficiência, mesmo com o amplo acesso a informações sobre o assunto e a presença cada vez maior de consultores especializados, empresas ainda insistem nos mesmos erros e priorizam o cumprimento da Lei nº 8.213/1991, chamada de lei de cotas, sem considerar o que realmente buscam os profissionais com deficiência no momento de escolher um emprego.



Estudo conduzido pela i.Social comprovou que essa divergência resulta na baixa qualidade das vagas oferecidas às pessoas com deficiência, na rotatividade de funcionários, no desequilíbrio no ambiente de trabalho e, por consequência, na perda constante de dinheiro.


Data de Publicação: 11/01/2018

Fonte: Estadão