Casos de violência contra deficientes crescem 34% em Campinas, SP


O número de registros de casos de violência contra pessoas com deficiência em Campinas (SP) cresceu 34% no comparativo entre os anos de 2014 e 2105. Isto é o que mostra um levantamento da Secretaria da Pessoa com Deficiência, que registrou 1.441 casos em 2015.



Em 2014, segundo a Prefeitura de Campinas, os casos de violência chegam a 1.074 casos. Já em 2015, foram 1.441 casos, um aumento de 35%. Em entrevista à EPTV, afiliada TV Globo, um jovem portador de deficiência visual, que não quis ser identificado, já sofreu violência de colegas de trabalho e do próprio chefe.



“Eles diziam para eu dizer desse jeito ‘deixa eu ver se esse cego tá enxergando’. Ele pegava aquele elástico de amarrar dinheiro e esticava na minha direção. Acertava meu olho, meu rosto. Eu desisti. Quando me falam de mercado de trabalho, não consigo", disse o jovem.



A estudante de direito Joyce Almeida sofreu um acidente há 15 anos, desde então depende da cadeira de rodas para se locomover, mas os obstáculos e limitações são muito mais do que físicos. Ela já sofreu violência de motoristas do transporte público.



Ele pegava aquele elástico de amarrar dinheiro e acertava meu olho. Eu desisti. Quando me falam de mercado de trabalho, não consigo."



deficiente visual que não quis ser identificado



“A aula acabou e eu dependo de um elevador, pois estudo no segundo andar. Atrasei cinco minutos além da tolerância e o motorista ficou nervoso e começou a me ofender e falar que eu era culpada. Dependo de uma cadeira de rodas para locomoção, não to andando normalmente como gostaria com minhas pernas”, desabafa a estudante de direito.



Emmanuelle Alkimin, titular da Secretaria da Pessoa com Deficiência, a violência contra a pessoa com deficiência, não é apenas física. A violência muitas vezes é moral, ou uma discriminação.



A secretaria, portadora de deficiência visual, afirma que também sofre violência moral. “Tem maquininhas de cartão de crédito, que eu como deficiente visual, não consigo digitar minha senha quando ela é touch. É uma violência, por que quebra o meu sigilo bancário e tenho que confiar em uma pessoa estranha para digitar a minha senha”, explica Emanuelle.



Segundo Emanuelle, o aumento de 34% é preocupante. “Esta é uma violência contra a parte mais frágil da sociedade. Muitas vezes a pessoa com deficiência não tem como se defender. Sabemos ainda que muitas pessoas com deficiência ainda não tem coragem de fazer a denúncia, por que a violência muitas vezes acontece dentro de casa”, disse a secretária.


Data de Publicação: 02/10/2018

Fonte: g1