Senhoras e senhores apresento-lhes a reprise da “minissérie” Mitos e verdades sobre pessoas com deficiência!


No capítulo 01 temos a história da senhora “Fila Preferencial”. Existe prioridade nas filas prioritárias? Sim, você não leu errado e eu não estou ficando maluco. Acredite, mas isso causa uma confusão entre as pessoas que tem o direito a usufruírem dessa garantia. Muita calma nessa hora e muita hora nessa calma que, vou explicar bem simploriamente, é o seguinte:



 



Imagine a cena da fila preferencial num banco.



 



Sete clientes da agência estão aguardando atendimento através da fila prioritária. Entre os sete estão, uma senhora com idade entre 70, 75 anos, ela está em pé segurando uma bolsa e usando um sapato com salto Anabela de uns 7cm de altura. Temos ainda 3 senhores sendo que, o primeiro tem uma postura totalmente ereta e firme, mas tem 82 anos de idade. O segundo idoso usa bengala, tem 75 anos e aparenta muito cansaço pra ficar de pé, e o ultimo é um “tiozinho” no auge de seus “sessentões” apoiado no braço da filha. 



 



Por ultimo uma gestante com os pés bem inchados e com um barrigão de 37 semanas, um cego, e um cadeirante lindo de viver que escreve pra o G1, entretanto ele é dependente de oxigenador mecânico e está usando um oxigenador pequeno pra transporte, é ostomizado etc. O “blogueirinho” do G1 tem em sua companhia um enfermeiro que informa a todos a necessidade do cadeirante ser atendido com prioridade, pois ele precisa resolver outras demandas em outro lugar e que demandam tempo (pra o limite do oxigenador de transporte) que foi minuciosamente calculado antes de sair de casa. 



 



Caro leitor, pense num barraco prestes a explodir. Todos querendo o direito à prioridade. A “briga” está armada. O clima de uma luta do UFC domina o ambiente. O motivo? A gestante reclama alegando ter chegado antes do cego e do cadeirante. Os idosos ficam indignados, afinal a “vozinha” da Anabela afirma categoricamente que ninguém será atendido antes dela, pois ela foi a primeira a chegar. O vozinho da bengala retruca dizendo que se o pedido do enfermeiro for aceito ele passará na frente do “tiozinho” com postura ereta que, por sua vez afirmou que o atendimento deve ser por ordem de chegada, recebendo então o apoio do sessentão que estava apoiado na filha. 


Data de Publicação: 17/12/2018

Fonte: Casa Adaptada