Cirurgia inédita usa a tecnologia para fazer paciente voltar a ouvir


Eudiléia Silva, 34 anos, tem um histórico de otites desde a infância e operou os dois ouvidos há 10 anos, em um procedimento malsucedido que causou a perda de sua audição. Nos próximos dias, ela voltará a ouvir graças a uma tecnologia que capta o som e o transforma em vibração, que é transmitida através do osso da cabeça até a cóclea, reabilitando totalmente a audição.

O Bonebridge representa o que há de mais inovador em implantes auditivos, podendo ser utilizado inclusive em pessoas que perderam totalmente as estruturas dos ouvidos em acidentes, pessoas com malformações ou ainda com otites crônicas avançadas - caso de Eudiléia.

Realizado dia 01 em Campinas, no Hospital Vera Cruz, por equipe dirigida pelo cirurgião Dr. Henrique Gobbo, o implante do Bonebridge ocorreu com sucesso. A ativação do dispositivo acontecerá ainda este mês, quando Eudiléia voltará a ouvir de forma plena .

A tecnologia foi lançada em 2012, na Europa e aprovada no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em julho de 2013. Até o momento, apenas dois pacientes se beneficiaram desta prótese no Brasil, que tem custo estimado em R$ 42.250

Além da prótese Bonebridge, há no mercado uma outra similar chamada BAHA, que também permite recuperar a audição pela transmissão de vibração pelos ossos, através do implante de um pino de titânio. (Com a tecnologia BAHA há um problema estético importante, pois quando se remove a prótese, o paciente fica com o pino a mostra. Esse fato faz com que muitas pessoas com indicação de próteses de vibração ússea desistam da cirurgia, por conta da questão estética), explica Dr Henrique Gobbo. (Com o Bonebridge esse problema foi solucionado, pois ele não possui o pino através da pele. O vibrador fica embaixo da pele e a ligação entre ele e o pequenino dispositivo externo, que fica escondido nos cabelos, é feita por um imã).

Como funciona
O implante Bonebridge é uma prótese indicada para pessoas que tiveram grandes destruições da orelha, como queimaduras e acidentes, cirurgias de retirada de tumores ou de otites crônicas muito avançadas, casos de malformação congénita das orelhas (indivíduos que nascem com a orelha fechada ou ausente). Nestes casos, há uma surdez pela destruição ou ausência das estruturas dos ouvidos e os aparelhos auditivos convencionais não podem ser usados porque não há orelha para colocá-los. A cóclea, estrutura interna do ouvido, não é afetada por essas doenças, mas o som não consegue chegar até ela pela ausência das demais estruturas.

A prótese Bonebridge capta o som e o transforma em vibração. Essa vibração é transmitida através dos ossos da cabeça até a cóclea, reabilitando totalmente a audição.

Mesmo em casos em que uma das cóclea foi comprometida, a prótese é indicada, pois é capaz de captar o som do lado surdo e transmiti-loà  cóclea saudável.

Como é o implante
O Bonebridge é composto por duas partes: uma interna e uma externa. A interna é basicamente um pequeno vibrador e um imã que se coloca sob a pele, na região atrás da orelha. A externa é um mini processador de som, que se conecta a parte interna através do imã.

Data de Publicação: 07/03/2014

Fonte: Revista Sentidos