Jogadora de bocha da Escola Paralímpica usa o nariz para digitar no celular




Entre os alunos da Escola Paralímpica de Esportes, projeto de iniciação do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), uma atrai a atenção pela forma como usa o celular. Tawany Ribeiro, 18 anos, encosta o nariz na tela do aparelho para utilizá-lo.
 
A paulistana tem paralisia cerebral devido à falta de oxigenação no cérebro, o que afetou os movimentos dos quatros membros e a fala. “A ideia de usar o celular partiu dela mesmo. Ela pediu para eu colocar um tablet na frente dela. Tive receio, pois ela saliva bastante e esses aparelhos são sensíveis. Porém, certo dia, eu coloquei o tablet da minha cunhada e ela encostou o nariz na tela e digitou”, relatou Luciana Ribeiro, calheira (pessoa que ajusta a calha para o atleta jogar a bola) e mãe da Tawany.
 
A família da zona leste de São Paulo frequenta a Escola Paralímpica desde maio de 2019. A primeira modalidade que a jovem experimentou foi a bocha, que logo se tornou sua atividade favorita. Para responder como o esporte faz ela se sentir, Tawany digitou no bloco de notas do celular: “estou feliz porque vou participar de um campeonato”.
 
Doze atletas da Escola Paralímpica disputam o Campeonato Paulista de Bocha, serie B, em Suzano. Cada classe da modalidade compete em um fim de semana diferente. Tawany e mais dois jogadores da classe BC3, para os atletas com maior comprometimento, competirão no dia 4 de abril.
 
A Escola Paralímpica de Esportes tem como objetivo promover a iniciação esportiva de crianças entre 10 e 17 anos com deficiência física, visual e intelectual em nove modalidades: atletismo, bocha, futebol de 5, goalball, judô, natação, parabadminton, tênis de mesa e vôlei sentado.

Atualmente, 539 alunos são atendidos e há 120 vagas abertas para o público infantil com deficiência física e visual.
 
Podem participar do projeto, que teve início em abril de 2018, residentes na cidade de São Paulo e municípios vizinhos que estejam matriculados em rede de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC). Todas as atividades são realizadas no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo.
 
As inscrições podem ser feitas pelo e-mail escolaparalimpica@cpb.org.br, contendo idade, tipo de deficiência e a cidade de residência ou pessoalmente no CT Paralímpico (Rodovia dos Imigrantes, km 11.5, São Paulo), com o departamento de Coordenação de Esporte Escolar. O telefone para contato é (11) 4710 4217.
 
Confira os horários da Escola Paralímpica de Esportes:
- Segunda-feira e Quarta-feira

8h30 às 10h – atletismo
8h30 às 9h30 – natação
9h30 às 10h30 - natação
10h às 11h30 - atletismo
14h às 15h30 - atletismo, bocha, futebol de 5, goalball, judô, natação, parabadminton, tênis de mesa e vôlei sentado
16h às 17h30 - atletismo, bocha, futebol de 5, goalball, judô, natação, parabadminton, tênis de mesa e vôlei sentado
 
- Terça-feira e Quinta-feira 
8h30 às 10h – atletismo e tênis de mesa
8h30 às 9h30 – natação
9h30 às 10h30 - natação
10h às 11h30 - atletismo e tênis de mesa
14h às 15h30 - atletismo, bocha, futebol de 5, goalball, judô, natação, parabadminton, tênis de mesa e vôlei sentado
16h às 17h30 - atletismo, bocha, futebol de 5, goalball, judô, natação, parabadminton, tênis de mesa e vôlei sentado
 
Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro


Data de Publicação: 14/03/2020

Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro